segunda-feira, outubro 27, 2008

Outorgado

A Outorga ocorreu, muito melhor do que qualquer expectativa, apenas confirmando o encerramento de uma fase nublada e o início de outra melhor, com grande vantagem e com confirmação de antepassados. Nada poderia ter sido melhor, e nada poderia ter sido melhor arquitetado pelo Universo. Sou extremamente grato.
Incrivelmente bom também o fim de semana que foi extremente melhor do que qualquer idéia previamente concebida. Talvez esteja aí o segredo da coisa.... É sentir-se pronto e liberado. Bora que isso é apenas o começo.
 
 

quinta-feira, outubro 23, 2008

Previsões que se tornam reais

Fases encerradas, novos recomeços. Essa é a melhor fase do sentir-se a brand new guy... Tudo se descortina, tudo adquire novas cores. Toda a bagunça anterior na qual eu me encontrava com meus pensamentos já desvaneceu-se, e como num passe de mágica, todas as novas oportunidades de um futuro muito mais agradável chegaram e se mostraram muito melhores do que eu via antes... Talvez fossem os fatos anteriores que me deixavam a visão embotada de uma só cor... o cinza.
Supresa agradável, suave, que já detonou novos preparativos para o novo mundo que chegou. Bora fazer as malas... a rodovia nos espera com um abraço doce rumo a ser feliz. Já era hora. Agora melhor do que nunca, não restam arestas, e pronto pra cuidar de mim.
Curiosamente isso tinha sido previsto pelo casal lá de longe que passou pelo mesmo processo com exatidão de detalhes. Seria complicado no começo, mas o que viria depois, seria indescritivelmente melhor. A previsão não poderia ter sido mais acurada que isso.
 
 
 
 

Aviso ao leitor

Então caro leitor
Já escrevi aqui anteriormente que meus posts não são destinados a voce. Todas as declarações referem-se só e unicamente à minha pessoa e das transformações das quais passo, das experiencias adquiridas, do que há de melhor e até mesmo, do que de pior que é possivel ser vivenciado.... e não refiro-me a voce. Quando isso acontecer, creia que voce será mencionado de maneira clara e direta, e nao indireta, conforme acordo prévio.
Cordialmente

terça-feira, outubro 21, 2008

TUDO QUE CHEGA...



Sempre é preciso saber quando uma etapa chega ao final...

Se insistirmos em permanecer nela mais do que o tempo necessário, perdemos a alegria e o sentido das outras etapas que precisamos viver.

Encerrando ciclos, fechando portas, terminando capítulos. Não importa o nome que damos, o que importa é deixar no passado os momentos da vida que já se acabaram. Foi despedida do trabalho? Terminou uma relação? Deixou a casa dos pais? Partiu para viver em outro país? A amizade tão longamente cultivada desapareceu sem explicações?

Você pode passar muito tempo se perguntando por que isso aconteceu....

Pode dizer para si mesmo que não dará mais um passo enquanto não entender as razões que levaram certas coisas, que eram tão importantes e sólidas em sua vida, serem subitamente transformadas em pó. Mas tal atitude será um desgaste imenso para todos: seus pais, seus amigos, seus filhos, seus irmãos, todos estarão encerrando capítulos, virando a folha, seguindo adiante, e todos sofrerão ao ver que você está parado.

Ninguém pode estar ao mesmo tempo no presente e no passado, nem mesmo quando tentamos entender as coisas que acontecem conosco. O que passou não voltará: não podemos ser eternamente meninos, adolescentes tardios, filhos que se sentem culpados ou rancorosos com os pais, amantes que revivem noite e dia uma ligação com quem já foi embora e não tem a menor intenção de voltar.

As coisas passam, e o melhor que fazemos é deixar que elas realmente possam ir embora...

Por isso é tão importante (por mais doloroso que seja!) destruir recordações, mudar de casa, dar muitas coisas para orfanatos, vender ou doar os livros que tem. Tudo neste mundo visível é uma manifestação do mundo invisível, do que está acontecendo em nosso coração... e o desfazer-se de certas lembranças significa também abrir espaço para que outras tomem o seu lugar.
Deixar ir embora. Soltar. Desprender-se.

Ninguém está jogando nesta vida com cartas marcadas, portanto às vezes ganhamos, e às vezes perdemos. Não espere que devolvam algo, não espere que reconheçam seu esforço, que descubram seu gênio, que entendam seu amor. Pare de ligar sua televisão emocional e assistir sempre ao mesmo programa, que mostra como você sofreu com determinada perda: isso o estará apenas envenenando, e nada mais.

Não há nada mais perigoso que rompimentos amorosos que não são aceitos, promessas de emprego que não têm data marcada para começar, decisões que sempre são adiadas em nome do "momento ideal". Antes de começar um capítulo novo, é preciso terminar o antigo: diga a si mesmo que o que passou, jamais voltará!

Lembre-se de que houve uma época em que podia viver sem aquilo, sem aquela pessoa - nada é insubstituível, um hábito não é uma necessidade. Pode parecer óbvio, pode mesmo ser difícil, mas é muito importante.

Encerrando ciclos. Não por causa do orgulho, por incapacidade, ou por soberba, mas porque simplesmente aquilo já não se encaixa mais na sua vida. Feche a porta, mude o disco, limpe a casa, sacuda a poeira. Deixe de ser quem era, e se transforme em quem é. Torna-te uma pessoa melhor e assegura-te de que sabes bem quem és tu próprio, antes de conheceres alguém e de esperares que ele veja quem tu és..

E lembra-te:
Tudo o que chega, chega sempre por alguma razão.

Fernando Pessoa

sexta-feira, outubro 17, 2008

E o governo errou

Incrivel.. erraram na noticia da morte da moça sequestrada.....

Estarrecimento

O ser humano continua me surpreendendo, mas cada um sob a sua ótica em especial... Suas maneiras de se comportar como se somente a sua maneira de pensar fosse correta e fosse a melhor de todas. Desconcertante.
Hoje o final do sequestro das meninas de Santo André que terminou em tragédia também me deixou deprimido. Apenas entendo mais do que nunca neste momento, que algumas pessoas não conseguem suportar a sensação de ter seus sentimentos desvalorizados. Superar, não é tarefa agradável e não é facil também, requer muito esforço e inúmeros dias de oscilação de esforços... Uma palavra errada e seu mundo desmorona e tudo volta à estaca zero novamente.
Nada justifica a ação do sequestrador em destruir a causa do seu sofrimento desta forma brutal e definitiva. Fico me imaginando neste momento como as familias envolvidas e agora destruídas vão ficar.
Lições vividas, e que sejam aprendidas.

terça-feira, outubro 14, 2008

Afinidade

A afinidade não é o mais brilhante, mas o mais sutil,
delicado e penetrante dos sentimentos.
O mais independente.
 
Não importa o tempo, a ausência, os adiamentos,
as distâncias, as impossibilidades.
Quando há afinidade, qualquer reencontro retoma a relação,
o diálogo, a conversa, o afeto, no exato ponto em que foi interrompido.
Afinidade é não haver tempo mediando a vida.
 
É uma vitória do adivinhado sobre o real.
Do subjetivo sobre o objetivo.
Do permanente sobre o passageiro.
Do básico sobre o superficial.
Ter afinidade é muito raro.
 
Mas quando existe não precisa de códigos verbais para se manifestar.
Existia antes do conhecimento, irradia durante e permanece depois
que as pessoas deixaram de estar juntas.
O que você tem dificuldade de expressar a um não afim, sai simples
e claro diante de alguém com quem você tem afinidade.
 
Afinidade é ficar longe pensando parecido a respeito dos mesmos
fatos que impressionam, comovem ou mobilizam.
É ficar conversando sem trocar palavra.
É receber o que vem do outro com aceitação anterior ao entendimento.
 
Afinidade é sentir com.
Nem sentir contra, nem sentir para, nem sentir por, nem sentir pelo.
Quanta gente ama loucamente, mas sente contra o ser amado.
Quantos amam e sentem para o ser amado, não para eles próprios.
 
Sentir com é não ter necessidade de explicar o que está sentindo.
É olhar e perceber.
É mais calar do que falar.
Ou quando é falar, jamais explicar, apenas afirmar.
 
Afinidade é jamais sentir por.
Quem sente por, confunde afinidade com masoquismo.
Mas quem sente com, avalia sem se contaminar.
Compreende sem ocupar o lugar do outro.
Aceita para poder questionar.
Quem não tem afinidade, questiona por não aceitar.
 
Só entra em relação rica e saudável com o outro,
quem aceita para poder questionar.
Não sei se sou claro: quem aceita para poder questionar,
não nega ao outro a possibilidade de ser o que é, como é, da maneira que é.
E, aceitando-o, aí sim, pode questionar, até duramente, se for o caso.
Isso é afinidade.
Mas o habitual é vermos alguém questionar porque não aceita
o outro como ele é. Por isso, aliás, questiona.
Questionamento de afins, eis a (in)fluência.
Questionamento de não afins, eis a guerra.
 
A afinidade não precisa do amor. Pode existir com ou sem ele.
Independente dele. A quilômetros de distância.
Na maneira de falar, de escrever, de andar, de respirar.
Há afinidade por pessoas a quem apenas vemos passar,
por vizinhos com quem nunca falamos e de quem nada sabemos.
Há afinidade com pessoas de outros continentes a quem nunca vemos,
veremos ou falaremos.
 
Quem pode afirmar que, durante o sono, fluidos nossos não saem
para buscar sintomas com pessoas distantes,
com amigos a quem não vemos, com amores latentes,
com irmãos do não vivido?
 
A afinidade é singular, discreta e independente,
porque não precisa do tempo para existir.
Vinte anos sem ver aquela pessoa com quem se estabeleceu
o vínculo da afinidade!
No dia em que a vir de novo, você vai prosseguir a relação
exatamente do ponto em que parou.
Afinidade é a adivinhação de essências não conhecidas
nem pelas pessoas que as tem.
 
Por prescindir do tempo e ser a ele superior,
a afinidade vence a morte, porque cada um de nós traz afinidades
ancestrais com a experiência da espécie no inconsciente.
Ela se prolonga nas células dos que nascem de nós,
para encontrar sintonias futuras nas quais estaremos presentes.
Sensível é a afinidade.
É exigente, apenas de que as pessoas evoluam parecido.
Que a erosão, amadurecimento ou aperfeiçoamento sejam do mesmo grau,
porque o que define a afinidade é a sua existência também depois.
 
Aquele ou aquela de quem você foi tão amigo ou amado, e anos depois
encontra com saudade ou alegria, mas percebe que não vai conseguir
restituir o clima afetivo de antes,
é alguém com quem a afinidade foi temporária.
E afinidade real não é temporária. É supratemporal.
Nada mais doloroso que contemplar afinidade morta,
ou a ilusão de que as vivências daquela época eram afinidade.
A pessoa mudou, transformou-se por outros meios.
A vida passou por ela e fez tempestades, chuvas,
plantios de resultado diverso.
 
Afinidade é ter perdas semelhantes e iguais esperanças,
é conversar no silêncio, tanto das possibilidades exercidas,
quantos das impossibilidades vividas.
 
Afinidade é retomar a relação do ponto em que parou,
sem lamentar o tempo da separação.
Porque tempo e separação nunca existiram.
Foram apenas a oportunidade dada (tirada) pela vida,
para que a maturação comum pudesse se dar.
E para que cada pessoa pudesse e possa ser, cada vez mais,
a expressão do outro sob a forma ampliada e
refletida do eu individual aprimorado.
 
(Arthur da Távola)

terça-feira, outubro 07, 2008

Como?

"_ Hummm.. perdão, mas o que voce disse?"
A pergunta fora feita de maneira rápida, imediatamente após a frase duvidosa ter sido dita... O Português não fora usado de maneira muito clara pelo interlocutor anterior, então o que foi dito apresentava multipla interpretação. Logicamente a interpretação mais afetiva teve sentido e ficou registrada na memória aquecendo o coração com aquele siginifcado falso... Um fogo brando, enganoso... Teoricamente esse deveria ter sido o comportamente de quem recebeu a resposta, mas como sempre acontece com as pessoas, é claro que não aconteceu.
Decepcionantes sempre, os multiplos significados utilizados por muitas pessoas nos deixam sempre na situação de escolha qual deles seguir, e baseado na indole das pessoas que vc supostamente já conhece, vc acredita sempre no melhor delas.... Um vez me disseram que ações valem mais do que palavras, e essa expressão devidamente conjugada com o tempo, apresenta resultados inegáveis.Desconcertante.
Temos então a personalidade mentirosa. Aquela que mente indefinidamente em busca do proprio bem estar, visando dessa forma deixar a situação contornável e o ambiente calmo, mas que cedo ou tarde, ela se manifesta pois o que era promessa, não se torna realidade. Este ser, alega cuidar da alma e busca a religião como fuga consciente de seus atos transferindo para o astral suas boas ações. Na realidade, embasado pelos "bons sentimentos", acredita estar agindo de maneira impecável sem ferir a ética pessoal ou causar conflito interno.
O mecanismo é complexo, as vezes apresenta resultados positivos, mas na sua maioria das vezes, a personalidade mentirosa se retira do processo antes que a sua farsa venha abaixo, e imediatamente recomeça o processo com outra pessoa, fazendo assim um círculo vicioso que se repete indefinidamente na sua maneira cativante que disfarça o seu sentimento de inferioridade. Ela se sente inferior, então joga com subterfúgios que usa mascarando e enganando até mesmo a sí mesmo, quando na verdade seu único objetivo é o seu hedonismo.
O ser humano é mesmo fascinante. Eu costumava achar que já tinha visto de tudo nas pessoas e costumava não me espantar com mais nada. Ledo engano. Vão-se os dedos, ficam os anéis, mas fica também a lição aprendida, essa sim, não vai me decepcionar e vai permitir que eu esteja alerta e seguro.
Pronto, perfil psicológico traçado... armas em punho. Quando voce detectar essa personalidade nas suas imediações, espante para longe a tiros. O mundo vai agradecer.
Adoro post com música temática...

 Moby - Disco Lies

domingo, outubro 05, 2008

Por que mentimos

Lamentável... continuo percebendo as pessoas mentindo aos montes.... Não consigo entender o mecanismo da coisa... aliás, até entendo, não entendo por que sou tão crédulo assim.
Sempre segui meu comportamento ausente da mentira, apenas por não conseguir dar sustentabilidade para a mentira, pois cedo ou tarde ela vem abaixo, e com ela, a sua dignidade. Sempre faço o processo mais econômico de energia... mentir consome muita energia e tempo que eu posso utilizar para outras coisas mais interessantes... Minha vida sempre foi minha, sempre achei interessante o suficiente, melhor em determinadas fases, horrível noutras fases, mas é minha, e nem por isso precisei inventar histórias cinematográficas para os outros, mostrar fotos falsas ou qualquer outro artifício inexistente... Curioso que a pessoa acredita tão piamente nisso, que a mentira passa a ser verdade... na cabeça dela. Como falei, fico bestificado comigo mesmo, por acreditar, apenas baseado no sentimento de amizade.... Enfim... Não sou eu que estou perdendo.. são os próprios que perdem... Perdem minha confiança, minha amizade e minha proximidade... Mais um que canta pra subir.
Fim de semana de eleições encerrado, muita sujeira nas ruas, muita sujeira política chegando ai. Que tenhamos sorte.... segue um vídeo pra animar....